The Cross: Act II: Walls of the Forgotten
Postado em 21/04/2022


The Cross: Act II - Walls of the ForgottenPor Victor “Killer Instinct” Vellame
Artista: The Cross
Título: Act II: Walls Of The Forgotten
País: Brasil
Ano de Lançamento: 2022
Gravadora: Eternal Hatred Records

Ser redator de um importante veículo de comunicação, tem as suas vantagens. E se este portal, ainda for uma gravadora que irá lançar o novo álbum do THE CROSS, melhor ainda! Foi a partir daí que tive acesso antecipado a “Act II: Walls Of The Forgotten”, e consumi cada detalhe dele para poder escrever esse texto.

A THE CROSS iniciou as as suas atividades em 1990, introduzindo o Doom Metal no Brasil naquele mesmo ano. Mas foi em 1993, quando lançaram a Demo Tape “The Fall”, que o mundo ficou impressionado com o nível de maturidade que o grupo apresentava, desde os seus primeiros passos.

Muitos anos se passaram, mudanças de formação, sucessivos lançamentos, e eis que chegamos a 2022 para a disponibilização de “Act II: Walls Of The Forgotten”. O material foi produzido por Louis, baterista do grupo, no Den Studio. E o cara obteve um resultado que ficou bem caprichado, com destaque para a mixagem que soube destacar as vozes, ao mesmo tempo que deu corpo ao trabalho de guitarras. Muito Bom!

Falando sobre as músicas, o THE CROSS mantém a sua fidedignidade ao Doom, apenas evoluindo a fórmula que ajudou a moldar, desde o início dos anos noventa. Bases arrastadas, melodias frias, riffs densos e lúgubres, além de letras inspiradas, fazem deste um dos discos mais cativantes do gênero que tomei conhecimento.

“Beyond the Eyes of Seth” é o primeiro destaque da obra. Ela possui melodias inspiradas na cultura egípcia, além de contar com a participação especial do vocalista Achraf loudiy (Aeternam). O refrão é extremamente hipnótico, e é bem difícil não ficar com ele na cabeça após uma breve audição.

“Umbral” foi a que mais gostei dentre todas, e nela temos como convidado o cantor maltês Leo Stivala (Forsaken), com uma interpretação emocional que toca na alma até do ouvinte mais radical. Imagine se o Candlemass da sua primeira fase encontrasse o Ahab, e temos a miscelânea fúnebre perfeita. A estrofe, entoada por Stivala, é uma das coisas mais tristes e paradoxalmente belas que escutei em muito tempo.

A cereja do bolo de “Act II: Walls Of The Forgotten” ficou à cargo da presença do mestre Aaron Stainthorpe (My Dying Bride) em “Walls of the Forgotten”, segunda faixa do play. Deixei ela por último propositalmente, porque não é todo dia que vemos Aaron participar de outros projetos, que não seja o seu próprio. O inglês nos brindou com o seu gutural, garantindo mais peso e melancolia nesta composição. É algo até difícil de se traduzir em palavras, porque eu sou fã do My Dying Bride desde a minha adolescência. Poder ouvir a sua voz ao lado de um cantor do meu país, não tem preço que pague. Parabéns ao THE CROSS por ter conseguido tal feito.

“Act II: Walls Of The Forgotten” é um álbum contemplativo, que nos permite várias reflexões sobre a vida, a morte, e ao inevitável esquecimento que a raça humana está fadada. Me emocionei bastante ao ouvir este trabalho, então, dê uma chance ao disco e, de preferência, pare tudo que esteja fazendo e o consuma como ele merece! Obra prima do Doom Metal, e afirmo isso de maneira geral. Nasceu clássico e continuará imortalizado assim, até quando nós não estivermos mais aqui!

Formação:

Eduardo Slayer (vocalista)
Paulo Monteiro (guitarrista)
Daniel Fauaze (guitarrista)
Leandro Kastyphas (contrabaixista)
Louis (baterista)

Track List:

01. Behind the Stone Gate
02. Walls of the Forgotten
03. Beyond the Eyes of Seth
04. Sonnenstein Castle
05. Umbral
06. Ouroboros

 
Categoria/Category: Resenhas-de-Álbuns
Notícia mais recente: «
Notícia mais antiga: »

TOP